Vestiário

O melhor site de cultura pop e lifestyle gay do Brasil.

O fim

Já é hora de dar tchau!

Redação Vestiário

Com a palavra, o Coletivo Vestiário:

Ana Paula Cruz

Encerrar um ciclo nunca é fácil. Quando penso que um projeto que esteve integrado à minha vida de um jeito tão prazeroso por mais de 3 anos se encerra por aqui o coração dói.

Mas ao mesmo tempo olho em volta e vejo todas as pessoas maravilhosas que conheci através dele e todas as grandes experiências que ele me proporcionou só consigo pensar em uma palavra: gratidão. Obrigada pelas histórias.

Obrigada por me fazer evoluir politicamente, profissionalmente e como pessoa. Estaremos juntos, amigos.

Ana Paula Penkala

Foi um convite inusitado que me levou a meter meus pitacos nesse Vestiário lindo que eu já achava muito jóia. Confesso que deu um friozinho na barriga, porque assumir uma coluna de política, ainda mais num momento tão crítico no país e no mundo, é meio que atestar que eu era aloka. Mas não foi assustador. Pelo contrário.

Uma equipe linda e engraçada, com editores tão queridos e competentes, e uma tremenda liberdade de entrar de voadeira na cara da sociedade me fizeram pensar que poxa, a interwebz precisa de mais papos de Vestiário assim! Foi breve, mas foi uma experiência sensacional, menines.

Agora fica essa sensação de que infelizmente as coisas boas realmente duram pouco. O bom é que a experiência restou em textos bacanérrimos sobre os mais variados assuntos. O Vestiário deixa as internerds pra entrar na história, mas não de pijama listrado.

Um agradecimento aos queridos editores, tão batalhadores, um beijo aos ilustradores tão talentosos e um abraço quentinho pra essa equipe tão bacanuda e phynna. E um desafio pra essa infovia mundial de computadores que agora vai ficar sem o Vestiário: bichas, melhorem. E busquem conhecimento!

Meu texto favorito é esse.

Artur de Francischi

É complicado escrever sobre o Vestiário sem cair em clichês, porque tudo o que eu aprendi aqui vão me acompanhar para sempre. Mais do que isso, o Vestiário me ajudou a criar esperança num mundo melhor, através de uma equipe maravilhosa e plural, o que refletiu em cada escrito por cada um de nós.

Foi um aprendizado, uma honra e um prazer fazer parte do Vestiário. Acho que obrigado sintetiza tudo o que eu sinto. Obrigado, obrigado, obrigado!

Meu texto favorito é esse.

Duds Saldanha

Demorou para que eu fizesse parte oficialmente da equipe do VST, a vida tem dessas de desencontrar mesmo, mas eu acompanho há tempo tempo que sinto como se tivesse visto esse menino crescer.

Agora, vendo-o acenar pra mim da janela de um trem num filme do Wes Anderson cujas cores são lindos rosa e laranja, eu sinto como se a cultura pop até perdesse um pouquinho da graça. Para os que quiseram muito que esse fim chegasse: cê não tinha nem que tá aqui, linda!

Para os amigos lindos que eu fiz e as coisas que eu aprendi: gratidão <3

Meu texto favorito é esse e a ilustração que eu mais curti fazer foi essa.

Eduardo Myr

O André me chamou para fazer uma ilustração para uma edição especial (HIV) e a coceirinha dentro de mim despertou a vontade de fazer mais. Desde o final do ano passado, vim participando com alguma ilustração nova para as edições.

Fecho as minhas colaborações com uma feita à quatro mãos, em parceria com o Vic Matos, um dos muitos profissionais que viraram amigos de Vestiário. Sigo firme como ilustrador (MYRCOISAS), saí da publicidade, mas ela não sai de mim. Sempre estou ilustrando algo para algum produto ou serviço.

Valeu VST, que realizou minhas vontades de ilustrar para editoriais. É bem triste, tudo tem seu fim, mas tudo pode ter um recomeço... (vai que?!?!?).

Guilherme Popolin

Viciado assumido em cultura pop, o Vestiário sempre esteve entre meus sites preferidos. Em meio a tantos blogs genéricos que tratam do assunto, o Vestiário se destaca por seus conteúdos analíticos e reflexivos, que levam ao leitor aquele ponto de vista fora do senso comum.

Como colaborador, participei de quatro edições. Escrevi sobre música, assunto que amo, e o aprendizado foi imenso. Fico feliz por ter contribuído na discussão sobre feminismo, empoderamento e preconceito.

Já quero lançar a campanha #VoltaVestiário!

Meu texto favorito é esse.

Jean Carlos Gemeli

Vestiário. O que dizer desse lugar? Além das piadas com armário, um lugar não físico. Tão não palpável, que parecia um sonho antes de eu entrar. “Nunca estarei na equipe”, eu pensava. Tomei coragem. Entrei. No começo, muito difícil. Era/sou apenas um aprendiz ainda. Fui evoluindo. Agora, menos difícil. Aprendi tanto. Mas tanto. Que posso ter certeza em falar: “Vestiário me formou como pessoa”.

Parece bobo, mas nesse pouco tempo eu não cresci somente em profissional, o emotivo, o caráter, tudinho foi mudado por essa sigla VST. Um lugar que agarrei amizades para a vida. E é isso que irei levar desse lugar. Aprendizado e Amizade. Nem físico, nem palpável. Porque muito na vida você pode aprender com os amigos.

Já estou sentindo saudade!

Meu texto favorito é esse.

Jones Pelech

Essa edição é a primeira para a qual escrevo, e infelizmente a última. Conheci o Vestiário há um bom tempo, me apaixonei pela proposta das publicações, pela criatividade dos autores, mas demorei para ter coragem de pedir para fazer parte. Cheguei a pouco tempo. Cheguei para me despedir e deixar registrado o quanto esse grupo, mesmo antes de me conhecer, me impulsionou a querer escrever mais e melhor.

Obrigado Vestiário pela oportunidade e pelo breve - mas rico - aprendizado.

Juca Bartolini

O Vestiário foi uma coisa muito bacana que me aconteceu no últimos meses e sei que todo mundo que colaborou leva consigo um pouco da sua proposta, assim ele realmente nunca vai acabar.

Aqui, conheci muita gente bacana e com certeza a gente ainda vai se trombar por aí para fazer muita coisa legal.

Este lugar foi um espaço de um conteúdo original não manipulado e vai fazer muita falta nesse mundo tonto... Mas sem tristeza, essa despedida como já falei é como um “até mais”.

Beijos e abraços à todos, aquele especial para a Mônica, Murilo, Renan e o Yhuryzin... E pro André aquele mais que especial, porque sem ele não teria conhecido esse povo lindo e tido as oportunidades que tive.

Obrigado gente, até mais!

Mônica Alves

O Vestiário entrou na minha vida em um dos momentos mais difíceis que eu já passei. Quando eu mais precisei de um refúgio, encontrei nesse espaço a motivação pra voltar a escrever e me encontrar de novo, por mais clichê que isso possa parecer.

Eu conheci pessoas maravilhosas, mudei minha opinião sobre várias coisas e, mais do que isso tudo, descobri que quando a gente precisa ter força e quer muito mudar o próprio rumo, as coisas acontecem. Falar do fim desse projeto tão incrível dá um aperto grande no coração, mas também me faz sentir um orgulho gigantesco por ter participado disso, mesmo que só um pouquinho.

Vou ser sempre MUITO grata ao Vestiário e às pessoas que conheci aqui, e sei que a força que muita gente encontrou nos textos incríveis que já passaram por nossas páginas mostra que valeu muito a pena. Estamos sempre juntos!

Meu texto favorito é esse.

Murilo Araújo

Ainda lembro do dia em que recebi convite pra participar do Vestiário. Eu, que não entendia nada de cultura pop, perguntei: "o que é que eu vou fazer lá?". Me responderam que era pra falar de viadagens, políticas, e dar outro tom mesmo. Não entendi bem, mas topei. E que bom que topei.

Cresci um bocado aqui, com o espaço lindo que tive pra repensar a vida e falar do que desse vontade. Com o tempo, entendi que o melhor do Vestiário era e será sempre isso: esse jeito muito nosso, muito diverso, que abraça tanto a nossa vontade de bater cabelo quanto a nossa vontade de mudar o mundo.

Vou sentir saudades.

Meu texto favorito é esse.

Rafaella Coury

Você pensa que a vida já está bem massa ao encontrar uma revista que fale sobre feminismo, preconceitos em geral e cultura de uma forma aberta e acolhedora. E, de uma forma impensável, você passa a fazer parte dessa equipe. O que aprendi, o quanto me emocionei e o quanto evoluí com os textos e posts de cada uma dessas pessoas incríveis, não cabe em palavras.

Mas consigo dizer que agradeço demais pela oportunidade de ter feito parte desta equipe única, que admiro a todos profundamente, e que não vejo a hora de poder trabalhar com vocês novamente. #VoltaVestiário

Meu texto favorito é esse.

Renan Riso

Obrigado!

Não tem palavra melhor pra se dizer. Por tudo que aprendi como leitor do Vestiário e como colaborador. Não quero dizer tchau, prefiro um até logo. Prefiro pensar que tanta força, amor e militância serão espalhados e vão gerar novos frutos.

Que todas as bandeiras que levantamos serão colocadas em novos territórios e todas que já foram colocadas serão mais fortes.

Obrigado! :)

Renato Cabral

Escrever para o Vestiário foi a realização de um projeto que sempre tive: fazer parte de um veículo, um coletivo, um grupo que compartilha de sentimentos e ideais iguais, que promove direitos, que promove a opinião e que tenta mostrar que cultura pop não é uma cultura menor.

Minha entrada no projeto foi pela necessidade que eu tinha de querer colaborar com esse grupo que faz a diferença. Acho que nunca fui tão bem aceito em um lugar e com tanta liberdade para escrever. Fiz amizades, troquei figurinhas e me apaixonei ainda mais pelo jornalismo cultural e de opinião.

Fica o meu agradecimento eterno por essa escola maravilhosa que o VST foi.

Meu texto favorito é esse.

Vic Matos

Sempre acompanhei e admirei o Vestiário meio que sem saber ao certo o motivo. Talvez pela proposta de falar com pessoas em primeiro lugar, acima de qualquer rótulo, sigla ou "tribo".

Entrei no projeto meio que por acaso e me apaixonei mais uma vez, só que dessa vez pelas pessoas que faziam toda essa maravilhosidade acontecer. Fiz grandes amigos e minhas colaborações foram muito além de só fazer um "desenhinho" pra deixar a matéria bonita. Aprendi muito, me questionei mais, evoluí como ilustrador e como pessoa... enfim, FOI INCRÍVEL!

Obrigado a todos pelas pautas maravilhosas, oportunidades, comentários de carinho e por compartilharem o mesmo asco por Claudia Leitte <3

A ilustração que eu mais curti fazer foi a capa dessa edição.

A gente se vê!

Comentários
Edição #23
Pelo direito de ser extremista
Editorial

Pelo direito de ser extremista

Murilo Araújo

Nessa vida, a gente precisa de algumas radicalidades. Uma das que escolhi pra mim é fazer tudo que estiver ao meu alcance pra que discursos violentos não tenham mais lugar nesse mundo. Não teremos nenhuma “tolerância” com aquilo que nos agride.

Leia a Matéria
Newsletter

Assine e receba por email as nossas principais atualizações, além de conteúdo exclusivo!