Vestiário

O melhor site de cultura pop e lifestyle gay do Brasil.

A Luciana Genro é nossa

Em entrevista exclusiva ao Vestiário, a maior surpresa das eleições fala sobre pautas LGBTs, PSOL, PT e esquerda.

Ana Paula Cruz
Thaís Nozue

“Só não me chames de senhora, tá? Eu vou me sentir meio velha.” Nessa breve interrupção, ainda quando eu apresentava o Vestiário, foi quando percebi que precisaria me despir de formalidades na minha primeira entrevista com uma personalidade política. Era uma quarta-feira, o país ainda vivia a ressaca do segundo turno das eleições, e eu havia conseguido alguns minutos para conversar com Luciana Genro, a candidata à presidência responsável por trazer assuntos inéditos aos debates televisionados, conquistando a simpatia de muitos eleitores nas redes sociais, e também fora delas.

A Luciana Genro é nossa
Thaís NozueLuciana Genro conversou com o Vestiário em uma cafeteria no centro de São Paulo.

A entrevista fora marcada pela assessoria em um café com ares retrô, comuns na região do Largo São Francisco, no centro de São Paulo, onde fica a faculdade de Direito da USP. Lá, a gaúcha faz mestrado em direito.

Luciana chegou pontualmente às 15 horas, e já demonstrando logo de cara um frescor diferente ao ar cansado algumas vezes visto no primeiro turno. Quando nos encontramos pela primeira vez, cerca de um mês antes, em um bate-papo dela com personalidades feministas – como a filósofa Marcia Tiburi, as cantoras Marina Lima e Karina Buhr, e as escritoras Clara Averbuck e Aline Valek – sobre o protagonismo das mulheres, na Vila Madalena, ela não mediu esforços para conversar com todas que iam até ela. Além da pauta política, Luciana também respondeu efemérides como quais produtos usava para manter os cachos e tirou várias fotos com eleitoras mandando beijinhos no ombro.

Na época, Genro seguia uma agenda intensa de compromissos e mantinha, apesar da simpatia, um olhar abatido e preocupado. Neste reencontro, ela trocou o formal tailleur por uma saia longa e camiseta preta, colar de miçangas e uma mochila com estampa étnica. Ela transparecia vigor e despreocupação.

Luciana Genro começou na política aos 14 anos, com um discurso no Dia Internacional da Mulher, quando entrou no movimento estudantil nos tempos do colégio Júlio de Castilhos, em Porto Alegre. Foi eleita pela primeira vez deputada estadual em 1994, aos 23 anos, quando já era mãe de Fernando Marcel Genro Robaina, então com seis. Possui dois mandatos como deputada federal pelo Rio Grande do Sul, entre 2003 a 2011, e participou ativamente da fundação do PSOL em 2005, após o rompimento com o PT quando se juntou à ala do partido descontente com alguns posicionamentos do então governo Lula.

O Partido Socialismo e Liberdade, mesmo tendo sido criado há menos de uma década, já deixou a sua assinatura positiva no cenário nacional. Esteve presente quando o povo foi às ruas em 2013 e em ações políticas como na CPI das Milícias, no Rio de Janeiro, e nas CPIs da Dívida Pública, do Trabalho Escravo e do Tráfico Humano. Além disso, ficou marcado pelas participações emblemáticas de seus presidenciáveis durante as duas últimas campanhas eleitorais. Em 2006, com Heloísa Helena e seus 6,85% dos votos, e em 2010, quando Plínio de Arruda obteve 1,5%, ambos no primeiro turno. Mas a impressão que se tem, é que o PSOL saiu mais fortalecido e mais pop este ano. E parte disso parece ser responsabilidade de Luciana Genro.

A reação de Feliciano está diretamente ligada ao crescimento do orgulho LGBT no país

Compartilhe

Ela foi o primeiro caso de presidenciável a levar, de forma coerente, as pautas de interesse da população LGBT aos debates. E não apenas por ser uma consequência natural ao posicionamento de políticos conservadores como o extremista Marcos Feliciano, que em 2013, enquanto presidia a Comissão de Direitos Humanos na câmara de deputados, tratou com desprezo todo um grupo social. Mas também por uma visão pessoal. “Foi um momento político importante, houve uma disputa muito forte em torno do tema LGBT, basicamente pelas posições reacionárias que ele tomou”, explica. A reação de Feliciano está diretamente ligada ao crescimento do orgulho LGBT no país, “com as marchas que tomam as ruas do Brasil a cada ano com milhões de pessoas, trazendo uma simpatia de uma parcela importante da população que não é LGBT, mas que está disposta a apoiar”, pondera. Em São Paulo, por exemplo, segundo dados da SPTurismo, a Parada, que contou com sua 18ª edição este ano, é o evento que mais atrai turistas à cidade, já chegando a reunir mais de 4 milhões de pessoas na Avenida Paulista.

A Luciana Genro é nossa
A Luciana Genro é nossa
A Luciana Genro é nossa
Thaís Nozue

Contudo, incluir a pauta LGBT não foi o ponto principal quando, junto ao PSOL, Luciana Genro começou a organizar a sua candidatura. Seu maior objetivo era trazer à tona a questão econômica, mas de uma forma que as outras pautas essenciais não fossem renegadas a um segundo plano. “É um ponto de difícil compreensão”, diz sobre a economia, e completa: “eu queria ser uma candidata que fosse levada a sério justamente por tocar nos temas centrais dos rumos do país, e ao ser levada a sério, também fazer com que essa pauta LGBT fosse levada a sério”. Se Luciana conseguiu seriedade em seu discurso? A repercussão positiva que ela teve, principalmente junto a um eleitorado mais jovem e politizado, mostra que sim. “Se eu acabasse sendo uma candidata caricata, como foi o Eduardo Jorge, por exemplo, essa pauta não teria sido levada com seriedade”, e conclui afirmando estar feliz por achar que conseguiu “fazer uma boa combinação entre não deixar essas pautas secundarizadas totalmente, ao mesmo tempo, conseguir colocar no centro da fala a disputa pelos rumos do país.”

O café chega à mesa, dou uma pausa no que aconteceu antes e durante a campanha para olharmos para o futuro. Minha pergunta parece gerar um pouco de desconforto ao tocar nos nomes de Dilma, Aécio e Marina Silva chamando-os de “principais”. Logo, corrijo para “candidatos mais evidenciados pela mídia” e continuo com a conversa. Quero saber o que Luciana espera nos próximos quatro anos em relação aos direitos LGBT, já que Dilma levantou a bandeira no segundo turno, o PSDB de Aécio se posicionou a favor das pautas e, por fim, Marina ficou em maus lençóis por rever em menos de 24 horas o seu plano de governo recém-divulgado. “Eu vejo que o cenário será positivo à medida que nós tivermos pressão de fora para dentro do governo e do parlamento”. Ela faz uma pausa, agora adota um ar mais sério se referindo ao atual governo reeleito, lembrando que Dilma permitiu a suspensão do Programa de Combate à Homofobia nas escolas e do abandono da Comissão de Direitos Humanos pelo PT, deixando que fosse assumido por Feliciano. “O que se fala nem sempre é o que se faz, o critério da verdade é a prática, e não o discurso.”

Se posicionar a favor das minorias é parte de uma luta mais ampla pela democracia

Compartilhe

Ainda sobre, ela ressalta que “embora seja inegável que o PT tenha uma história de defesa das pautas LGBTs, uma coisa são as posições assumidas pelo partido, outra é a prática que ele tem no governo”, e volta a assumir um tom mais positivo ao dizer que a campanha eleitoral “ajudou a dar um gás ainda maior para o movimento LGBT e para a luta.”

O PSOL acabou se tornando um partido símbolo da luta LGBT, seja através do posicionamento da própria durante os debates, seja pelo deputado Jean Wyllys, que mesmo apoiando Dilma no segundo turno, se mostra firme em continuar mantendo a discussão em evidência. Pra quem vê de fora, é algo que parece estar em sintonia dentro do partido, ou, pelo menos, uma questão que precisa ser importante para a esquerda, já que se posicionar a favor das minorias é parte de uma luta mais ampla pela democracia. Querendo ou não, 2014 surge como um ano importante para os homossexuais. “O potencial que nós temos de organizar um número enorme de militantes da causa é muito maior agora depois da campanha”, frisa.

Se lutar pelas minorias é uma pauta importante da esquerda, a polarização que tomou conta do país durante a disputa do segundo turno deixou claro que entramos em uma nova fase política. Diante da vitória de Dilma, reações violentas, principalmente através de discursos de ódio e xenofóbicos, fervilham entre os eleitores de Aécio Neves. Os discursos da direita e da esquerda estarão cada vez mais evidenciados, atingindo a todos os setores da sociedade, inclusive o movimento LGBT.

Ninguém está isolado do contexto da sociedade capitalista, e todos estão sujeitos às influências dos aparelhos ideológicos do sistema, isso talvez explique porque um gay, mesmo sendo escorraçado socialmente dia após dia, compra o discurso social vigente e não consegue enxergar na esquerda uma forma de lutar por uma sociedade mais justa e democrática. “A igreja, a grande mídia principalmente, a família, a escola” são as principais ferramentas de manutenção do status quo pelo sistema. “A ideologia dominante, acaba sendo sempre a ideologia transmitida por esses aparelhos ideológicos, que é a ideologia burguesa, a ideologia pró-capitalista e, portanto, de direita.”

Para exemplificar, a gaúcha se lembra de um encontro que teve com um simpatizante. “Encontrei esses dias aqui em São Paulo um rapaz que me disse: ‘Eu não votei em ti, mas eu te admiro, muito obrigado por tudo que tu fez! Eu sou de direita mas eu gosto da tua pauta. Eu gosto de ti porque tu nos defendeu, eu sou gay. E também gosto do imposto sobre as grandes fortunas.’ Daí eu: ‘Mas então tu é de esquerda e tu não sabes!”, lembra rindo. “As pessoas às vezes se atrapalham um pouco com esses rótulos.”

É na sombra de uma esquerda que abandonou as suas bandeiras que a direita cresce

Compartilhe

Por que esse balaio ficou todo misturado no Brasil, a ponto de alguém compartilhar mais pensamentos com a esquerda, e mesmo assim se declarar de direita? A resposta poderia estar na própria esquerda, que há pouco mais de uma década governa o país, e estará à frente por mais quatro anos. “O que eu vejo é que o papel que o PT cumpriu nos últimos anos foi muito nefasto e acabou fortalecendo a direita,” explica Luciana. Se lembrarmos das manifestações de junho do ano passado, conseguimos ver claramente esse cenário. O que começou como um chamado do movimento Passe Livre, acabou tomado por uma onda reacionária, baseada no discurso da ausência de partido e de movimentos sociais organizados. Aquele PT, que nos anos 1990 foi protagonista em grandes marchas sociais e tinha um bom relacionamento junto às camadas mais populares e às minorias, se esquivou quando virou situação e deixou de lado pautas importantes em nome da governabilidade. “É na sombra de uma esquerda que abandonou as suas bandeiras que a direita cresce.”

Muitos militantes de esquerda e pessoas à margem da sociedade se decepcionaram com o PT, isso é fato. No caso do movimento LGBT, a falta de representatividade política e um certo descaso dos governos Lula e Dilma, resultou na busca de alternativas. Afinal, se há um crescimento e fortalecimento do discurso conservador tomado como bandeira por figuras vis, porém importantes no cenário nacional, para algum lugar essas pessoas terão que correr para se sentirem, minimamente, acolhidas. E elas acabam “encontrando a direita, encontrando o Aécio. Por isso que o grande desafio do PSOL é conseguir ser visto como uma alternativa real de poder à esquerda do PT”, pondera Luciana.

Genro ficou em quarto lugar na disputa presidencial deste ano, e não seria presunção nenhuma afirmar que ela foi a maior surpresa das eleições. Estaria Luciana começando uma nova jornada política e cravando o seu nome como um grande expoente da esquerda brasileira? Mesmo com 1,6% dos votos no primeiro turno – 0,6 pontos acima do que as pesquisas haviam estimado, e 75% menos votos que Heloisa Helena obteve em 2006 – o PSOL saiu mais fortalecido como representante da esquerda e com mais oportunidades. “A situação política hoje é mais favorável ao PSOL do que foi no Plínio”, diz se referindo ao cenário pós-2010. Já em 2006, com Heloísa, a situação era outra. No caso dela, “tinha duas características que eram o recente acontecimento do Mensalão, o PT estava muito desgastado, e a Heloísa era uma figura já muito conhecida”. Em 2014, tivemos um cenário mais favorável para uma candidatura de contestação e uma figura nova no cenário nacional, e Luciana chegou e cumpriu o requisito.

Ao contrário de outras figuras que tentaram se apresentar como líderes de uma nova política nos últimos anos, com Luciana Genro temos a sensação que tudo o que ela diz é sincero. Não é um discurso vazio feito em um gerador de citações aleatórias para ganhar votos de gregos e troianos, tampouco palavras sustentadas em cima de uma postura arrogante como se ela fosse a salvadora da pátria. É um discurso profundo, porque precisa ir nas entranhas da sociedade para ser construído, porém humanizado e de fácil assimilação. Luciana não usou a pauta LGBT para posar de politicamente correta, ela falou com o seu próprio coração, o que explica porque algumas novas portas foram abertas para ela e para o PSOL em tantos outros segmentos da sociedade. “Isso é muito importante numa campanha, é lidar com as emoções das pessoas e conseguir criar algum tipo de identidade com elas”, conclui.

Comentários
Edição #19
Newsletter

Assine e receba por email as nossas principais atualizações, além de conteúdo exclusivo!