Vestiário

O melhor site de cultura pop e lifestyle gay do Brasil.

Ariana Grande está pronta pro combate

Ariana Grande está pronta pro combate

Se em “Yours Truly”, Ariana Grande se preocupou em se apresentar pro mundo, com “My Everything” a história foi outra. Ela mostra a que veio, mas esconde o ouro. Até porque há muito o que ser explorado.

Yhury Nukui

Antes que todos se apaixonassem por sua voz de outro mundo, Ariana Grande já ia construindo uma legião de fãs com a espirituosa Cat, sua personagem na série “Victorious”. A menina tornou-se tão querida pelo público que passou a rasteira em Victoria Justice, protagonista da série em que ela era coadjuvante, e ganhou um spin-off: “Sam & Cat”, que acabou cancelado neste ano depois de algumas desavenças envolvendo Jennette McCurdy, a intérprete de Sam, e a Nickelodeon.

Ariana já investia em covers caseiros, lançou um péssimo single – que até ela deve ter vontade de esquecer – para se lançar como cantora, mas foi com “The Way”, carro-chefe de “Yours Truly”, que o mundo se atentou ao talento da garota do marcante rabo de cavalo.

Não demorou muito para as comparações com Mariah Carey virem à tona, coisa que ela evita comentar mesmo reproduzindo todas as firulas da diva dos anos 90 que detém há décadas o título de cantora com mais singles #1 na história da Billboard.

Este vídeo está no YouTube e pode deixar de ser exibido a qualquer momento

Não podia ser diferente. Ser comparada a outro artista traz consigo uma enorme responsabilidade: superá-lo. E ainda é cedo para dizer se Ariana tem cacife para ser maior que a dona do injustiçado “Me. I Am Mariah. The Elusive Chanteuse”. Mas, por enquanto, a carreira da menina-prodígio vai muito bem, obrigado!

“Yours Truly” debutou em primeiro lugar nas paradas norte-americanas e “My Everything”, seu segundo disco, conseguiu o mesmo em menos de um ano – o que não acontecia na indústria há quatro anos, quando Susan Boyle, a cantora que encantou o mundo no “Britain’s Got Talent”, chegou ao topo com “I Dreamed a Dream” e “The Gift”.

Se o disco debute estava completamente na zona de conforto de Grande, em “My Everything” a cantora se permitiu ousar um pouco mais, mas sem esquecer daquilo que encanta o seu público: potência vocal. Tal como Mariah Carey – desculpe, é difícil não comparar - fizera durante toda a vida, Ariana Grande não poupou parcerias no novo disco. A começar com a arrasa-quarteirões “Problem”, com a queridinha do momento Iggy Azalea, vencedora do VMA de Vídeo Pop.

Este vídeo está no YouTube e pode deixar de ser exibido a qualquer momento

Há ainda Zedd na energética “Break Free”; seu amigo colorido Big Sean em “Best Mistake”; Cashmere Cat na repetitiva “Be My Baby”; Childish Gambino na vibe R&B de “Break Your Heart Right Back”; The Weeknd à la Michael Jackson na cheia de potencial “Love Me Harder” e A$AP Ferg na pseudo-caliente “Hands On Me”. A parceria explosiva com Jessie J e Nicki Minaj em “Bang Bang” também ganha espaço no disco, mas só na versão deluxe.

Mesmo com as parcerias incríveis, Ariana se destaca mesmo nas faixas em que aparece sozinha. “One Last Time” e “Why Try” acalmam os ânimos dos ouvintes depois de “Problem” e antes da explosiva “Break Free”, assim como “Just a Little Bit Of Your Heart”, composta por Harry Styles (sim, o do One Direction), e “My Everything” vão preparando o terreno para o fim do material.

Se em “Yours Truly”, Ariana Grande se preocupou em se apresentar pro mundo, com “My Everything” a história foi outra. Ela mostra a que veio, mas esconde o ouro. Até porque há muito o que ser explorado. A começar pelo visual inocente e o cabelo marcante - e igualmente irritante.

Este vídeo está no YouTube e pode deixar de ser exibido a qualquer momento

Não esqueçamos de Justin Bieber e a franja que virou mania entre os jovens. Quando o cantor mudou o corte, ganhou as manchetes mundo afora. E bem, Ariana Grande divide o mesmo empresário do astro, que hoje não é lá tão inocente assim.

De boba, meus caros, ela e sua equipe não tem nada. E o que seria da indústria senão fossem os espertos? Infelizmente, hoje ninguém vive apenas de talento. Para ganhar atenção da indústria não basta saber cantar bem, senão Mariah Carey (rs) ainda faria sucesso. Gerir uma carreira de forma inteligente não é questão de escolha, mas de sobrevivência.

Bem-vinda à guerra de leões, Ariana Grande. Que a sorte esteja sempre a seu favor!

Comentários
Edição #15
Minaj tentou, Iggy barrou
Vitrola

Minaj tentou, Iggy barrou

Jader Gomes

A tentativa de reposicionamento imagético no mercado foi interessante e necessária, mas o fator externo Iggy Azalea não permitiu que a nova Nicki tivesse tempo e espaço para mostrar a que veio.

Leia a Matéria
A teologia de Inês Brasil
Editorial

A teologia de Inês Brasil

Murilo Araújo

Inês incorpora uma espécie de “teologia da liberdade”, cujos únicos princípios são amar a Deus e aos irmãos, sem ver a quem. Tudo com uma sinceridade incontestável, de modo que ninguém poderia – ou conseguiria – dizer que a fé dela é menos verdadeira ou legítima.

Leia a Matéria
Newsletter

Assine e receba por email as nossas principais atualizações, além de conteúdo exclusivo!